Eleições na Federação Italiana

Gravina conseguiu o apoio dos jogadores. Pera ele, a reeleição como presidente da FIGC é uma meta a ser alcançada, não tão distantes.

Ele sabe em primeira mão que sempre quem está no poder tem muito trabalho a fazer, mas olhando para o lavoro, mirando os endossos e, acima de tudo, também de acordo com suas convicções muito pessoais, como homem do futebol e da política do futebol, há um impulso enérgico, ipse dixit (em latim seria “ele mesmo disse”, uma afirmação sem prova), pela sua reeleição.

No ano em que o Coronavirus colocou a economia italiana de joelhos, o futebol foi conseqüentemente forçado a revolucionar e retrabalhar suas idéias, seu estilo. A parada forçada, travada em voz alta por Gravina, ciente de que era necessário reiniciar por motivos até óbvios: economia e possibilidades esportivas. Tendo a saúde sempre em primeiro lugar, mas sobretudo, Gravina sempre teve a clarividência de perceber que o futebol podia recomeçar com segurança, apostando na capacidade de organização dos clubes, num protocolo a ser seguido à risca, possivelmente na reabertura dos estádios, porque sem público é como se você sempre jogasse com um homem a menos.

No dia 22 de fevereiro, eleições em Roma, as assinaturas devem ser apresentadas até o dia 12, e as candidaturas oficializadas. No momento, Gravina conta com o apoio de 18 clubes de 20 na Serie A, 19 de 20 na Serie B e 54 de 58 na Serie C. A clarividência, a capacidade de lançar as bases para a reconfirmação, torna óbvio o favoritismo. De acordo com pesquisas e enquetes, o resultado é inevitável e a vitória certa.