Pirlo e Conte: tão parecidos e ao mesmo tempo distantes

Olhando a classificação e, portanto, ampliando a discussão a todo este início de temporada – e não levando em consideração apenas os empates com a Lazio e Atalanta – é fácil perceber que para Juventus e Inter há muito mais que se tem apresentado até aqui.

A dificuldade é antes de tudo, compreender o que é, porque em termos de talento não se discute nem um nem outro. Também em termos de ambições: é óbvio que para a Juve e a Inter é obrigatório ter padrões elevados bem acima da média.

Portanto, rede de Coronavírus e condição física não ajudam e devido ao calendário intenso, o círculo se fecha em torno de Conte e Pirlo. Dois extremos, atualmente, um já está viajando há algum tempo, o outro está se lançando, ambos com enorme dificuldade de gestão.

Nenhuma semelhança entre os dois, nem mesmo procurando por enquanto. O único fio comum, o denominador comum atual, é o ranking com… lágrimas; de resto, Pirlo que continua à procura do seu estilo, Conte que teme que o seu estilo já não seja suficiente, para garantir o sucesso e a continuidade de uma Inter cheia de interrogações.

O empate com a Lazio sofrido nos acréscimos por Caicedo, é a confirmação de que esta Juventus não está fria como no passado. Agarrada a Ronaldo e acima de tudo, não é sólida como deveria. O um a um de Bérgamo, para a Inter, equivale à confusão gerada pelos ditames (regras, normas) de Conte, severos mas não concretos, decisivos e firmes em ideias já oxidadas, ainda que pagas em ouro.